Noites Sem Estrelas

Noites Sem Estrelas

Nem todos os dias há flores e cheiro de primavera…
Nem todos os dias o sol aquece o meu coração….
Nem sempre é primavera nos meus olhos…
Ás vezes também é Mar em tempestade,
Nuvens negras de escuridão no inverno da Alma…
Nem sempre o dia amanhece em mim,
Nem sempre as noites da minha Alma foram estreladas,
Nem sempre cantam as andorinhas nas primaveras do meu leito,
Nem sempre haverá braços para me apagar a Dor,
Nem sempre haverá quem escute o que não pode ser falado…
Nem sempre haverá pernas para andar ou caminho a percorrer…

Apenas vazio, apenas Mar , sol e tempestade em barcos náufragos de mim…

Em verdade me entrego ainda que seja na tempestade,

Em verdade eu sou e deixo ser,

Em verdade eu deixo que morra o que nunca quis viver…

Depois da morte somente a vida para me acolher…
Talvez ainda haja vida que possa abraçar,

Talvez a vida em mim nunca há de ceder…

Segue-me nas Redes Sociais:
Posted in Poesia and tagged , , , .

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.